[Diário do Carteiro] Legends of Runeterra – Dia 1: Amigável, Divertido e Agradável

Acessibilidade é uma área vasta e complexa, existe uma coleção de pormenores se você quiser tornar um jogo acessível. Muito se falou de Gears 5 com suas opções de inclusão e possibilidade de ajustar as configurações para acomodar uma larga quantidade de pessoas com deficiência.

Mas videogames possuem um péssimo histórico com tutoriais. Falei um pouco disso quando abordei Gwent, quando você tem um jogo com mecânicas complexas e precisa explicar as diferentes nuances da jogabilidade, poucos conseguem suceder.

Legends Of Runeterra é um dos poucos casos de sucesso. Ele segue a linha do Magic Arena e o Desafio das Cores, possui um tutorial que passa pelo básico do que é preciso fazer para ganhar e possui desafios adicionais que entra em mais detalhes.

Em Runeterra existem 19 desafios bônus, cada um deles toca em um ponto específico das mecânicas. É uma boa maneira de explicar como as palavras-chaves funcionam aqui, o desafio ‘Na Geladeira’ por exemplo, mostra o funcionamento de congelar com pequenas vinhetas demonstrando cartas que podem se aproveitar desse conceito e estratégias com o feitiço.

Obviamente que é muita informação para assimilar, mas é um bom começo e ajuda bastante em experiência. Ao final de cada partida, você ganha experiência que vai diretamente para um sistema de progressão que libera recompensas. Terminando todos esses desafios, você já pegou cartas o suficiente, além ter ganhado algumas cartas curingas para ajudar a criar aquelas que faltam para o deck.

Esses desafios são uma ótima base para começar as aventuras mágicas no reino das partidas online. Quando você termina, é liberado um sistema de progressão para cada uma das regiões de Runeterra. Ao ativar Noxus, por exemplo, toda experiência ganhada em partidas normais e ranqueadas vai liberando recompensas com o tempo, todas as cartas adquiridas serão relacionadas a região. 

Existem diversos incentivos para continuar jogando, você não precisa se esforçar em níveis cavalares para ganhar cartas e vale lembrar que você recebe alguns decks de introdução para ir testando online.

Estou naquele momento de ir realizando desafios, jogando algumas partidas para juntar um número bom de cartas e criar o meu baralho. Mas até lá, esses decks introdutórios são uma mão na roda e como é um jogo recente, todo está meio que no mesmo nível.

Já peguei alguns oponentes com os mesmos baralhos, mas claramente faltava conhecimento nas mecânicas do jogo e nas sinergias entre as cartas. Acho que jogar nada além do que joguinhos de cartas nas últimas três semanas está ajudando de alguma maneira.

Preciso usar esses conhecimentos e focar mais em juntar algumas cartas, assimilar mais sobre as especificidades de cada região e eventualmente criar um baralho.

Vamos ver se dá certo.

Perdeu os outros textos do Diário do Carteiro? Clique aqui para ler todos.