Cochilei, peguei Pokémon

É difícil não se sentir um velho chato. Acho que naturalmente a gente se torna um com o tempo, uns demoram mais, outros chegam à terceira idade como tiozões maneiros que não esquentam a cabeça com nada. É como uma amálgama mundano daquela velha frase do Batman: ou você morre jovem, ou vive o bastante para reclamar do que os jovens estão curtindo.

Eu nunca me liguei que talvez eu fosse ser um desses ranzinzas prematuros. Os sinais estavam todos lá, mas eu me esforçava para não cair nessa. Aí chegou a Pokémon Company falando que aplicativo de dormir era jogo, e eu abracei o meu Eustácio interior.

Posso até estar sendo precipitado. O anúncio de Pokémon Sleep foi feito sem muitos detalhes: um título, a desenvolvedora responsável (Select Button, os caras que fizeram o jogo de treinar Magikarps), e uns comentários sobre como dormir gera recompensas no jogo.

Não tem nada de novo nisso, para falar bem a verdade. Existem vários aplicativos que te ajudam a regular o sono e, apesar de meio fora de moda, ainda tem muita aplicação que usa esses elementos de gameficação para dar um tcham a mais para alguma atividade cotidiana ou monótona. Vai dar uma corridinha pra perder aquele buchinho? Bota aí uns sons de zumbi te perseguindo para te incentivar. Tá bebendo pouca água por dia? Baixa um App que dá experiência no estilo RPG para cada vez que você lembra de tomar aquele líquido que seu corpo precisa para não parar de funcionar. Obrigado App, por me lembrar de não morrer.

Cinismo a parte, essas coisas até que são bem legais. Incentivando uns comportamentos mais saudáveis, criando uns bons hábitos. Tem tanto jogo utilizando truques e artimanhas para manipular o nosso cérebro para lucrar, porque não usar essas técnicas para fazer algo de bom pelas pessoas?

E faz sentido que esse tipo de atitude venha da Pokemon Company. Pokémon Go teve a proposta legal de revitalizar caminhadas pela sua cidade, fazendo muita gente voltar a frequentar praças e pegar uma necessária vitamina D. E a Nintendo sempre foi meio preocupada em fazer com que as pessoas não se ferrassem de tanto jogar, seja com dicas em manuais dos jogos ou em telas de loading. Lembro também daquele esquema do 3DS de fazer você andar pra pegar moeda. Não funcionou, Nintendo, eu só chacoalhava o aparelho para ganhar moedinhas. Admito mesmo, aquele chapéu do Waluigi não ia se desbloquear sozinho.

Mas e aí, qual o problema aqui? Se isso aí não é novidade, qual o motivo de tão repentina rabugência? Como a maioria dos textos de reclamação na internet, o motivo é simples: Semântica. Pokemon Sleep parece uma aplicação super legal, super zen. Aplicação. Não jogo.

Existe uma linha limítrofe que define isso? Bom, provavelmente deve existir uma quinhentas variações. Algumas muito claramente técnicas, outras muito filosóficas. Mas no final das contas, isso acaba sendo algo totalmente pessoal.

Talvez um jogo não seja definido por ação. Jogo do sério é sobre não fazer nenhuma ação. E quem sou eu pra dizer que ele não é um jogo? Tá no nome. Mas dormir parece desafiar um pouco minha aceitação. Existe algo de mórbido em pensar em uma pessoa que morre durante o sono e recebe trocentas recompensas por isso.

Mas olhando a página da Select Button pra procurar alguma informação sobre o que vem por aí eu vejo apenas seu logo, acima dos jogos anteriores. Game is Good. Talvez a combinação disso com os tons pastéis da página serviu para me acalmar. Deixa chamarem de jogo, que diferença faz? Talvez minha juventude não esteja perdida ainda.

Nem só de youtuber e clickbaits vive o jornalismo de jogos brasileiro. Dê uma força para o Site de Jogos: espalhe a palavra e curta a gente no Twitter.